4 tipos de financiamento imobiliário que você precisa conhecer

17 dez 2018

Fazer um financiamento de imóveis é uma ótima alternativa para quem deseja acelerar o sonho de adquirir a casa própria. Afinal, planejando-se para dar uma boa entrada, fica muito mais fácil arcar com o restante do valor das prestações. Isso sem falar que existem diferentes tipos de financiamento imobiliário para que você possa escolher aquele que cabe melhor no bolso.

Nesse sentido, é fundamental buscar imóveis assinados por uma incorporadora de credibilidade no mercado. Assim, dá para ter certeza de que está fazendo um negócio seguro e legítimo, respeitando seus interesses e expectativas. Boas imobiliárias saberão aconselhar em relação a isso, além de orientarem quanto ao melhor tipo de financiamento para o seu caso.

Ficou interessado? Então acompanhe a leitura e conheça 4 tipos de financiamento de imóveis mais comuns no Brasil!

Como saber qual o tipo de financiamento ideal?

Existem duas maneiras básicas de financiar um imóvel no Brasil: pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH) ou pelo Sistema Financeiro Imobiliário (SFI). A diferença está no cálculo do financiamento entre os dois sistemas, sendo que o SFH costuma apresentar uma menor taxa de juros anuais, além de permitir o uso do FGTS na transação — mas desde que se trate do primeiro imóvel do comprador.

Caso a intenção seja comprar um segundo imóvel, expandindo seu patrimônio, pode ser mais viável optar pelo Sistema Financeiro Imobiliário (SFI). Dentro desses sistemas, existem ainda duas formas de amortização das parcelas do financiamento: as famosas Tabela SAC e Tabela Price. A seguir, resumimos as principais características de cada tipo de financiamento para auxiliar na decisão. Vamos lá!

1. Sistema Financeiro de Habitação (SFH)

  • por Lei, a taxa de juros anual não ultrapassa 12%;
  • o FGTS pode ser utilizado na transação, sob regras pré-estabelecidas;
  • o imóvel precisa ser obrigatoriamente residencial;
  • a propriedade precisa ser o primeiro imóvel do comprador, além de estar localizada em sua cidade de residência ou de trabalho;
  • o valor máximo do imóvel deve ser de R$ 750 mil para os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Distrito Federal, e de R$ 650 mil para os demais estados;
  • o prazo do financiamento imobiliário é de até 420 meses (35 anos);
  • o limite do financiamento pode ser de até 90% na tabela SAC (com as parcelas diminuindo de valor gradativamente) e de até 80% na tabela Price (parcelas constantes).

2. Sistema Financeiro Imobiliário (SFI)

  • a taxa de juros anual pode ultrapassar os 12%, dependendo da instituição financeira;
  • o FGTS não pode ser utilizado na transação;
  • os imóveis negociados podem ser residenciais ou comerciais;
  • o valor da propriedade é ilimitado;
  • o imóvel poderá estar localizado em qualquer lugar do país, sem a necessidade de ser o primeiro imóvel do comprador;
  • o prazo do financiamento imobiliário é de até 420 meses (35 anos) para imóveis residenciais e de até 120 meses (10 anos) para imóveis comerciais;
  • o limite do financiamento pode ser de até 100% em qualquer uma das tabelas.

3. Tabela Price

A principal diferença entre as tabelas Price e SAC é que, na Price, o valor das parcelas do financiamento é sempre o mesmo. Na SAC, esse valor vai diminuindo aos poucos no decorrer do período contratual.

Quem escolhe financiar um imóvel pela tabela Price precisa redobrar a atenção com o orçamento, pois sabe que o valor das parcelas se manterá fixo durante todo o contrato. Ou seja, se você fez um financiamento imobiliário de 35 anos, precisa estar certo de que as parcelas caberão no seu bolso nesse período.

4. Tabela SAC

O comprador costuma se sentir mais tranquilo ao financiar um imóvel pela tabela SAC (Sistema de Amortização Constante), pois ele sabe que o valor da prestação vai diminuir no decorrer do contrato.

Talvez seja preciso apertar um pouco o orçamento nas primeiras prestações. Por outro lado, haverá o conforto da diminuição do valor das parcelas ao longo do prazo. Assim, o comprador poderá inclusive se planejar melhor para investimentos futuros.

Agora que você já conhece os principais tipos de financiamento imobiliário, basta recorrer a uma incorporadora de confiança no ramo, que vai lhe orientar com clareza desde o primeiro contato até o momento da entrega das chaves.

Gostou do post? Então curta nossa página no Facebook e fique por dentro das melhores tendências em imóveis!